Como atingir product-market fit

Startups devem ser obcecadas por product-market fit. Não é uma ilusão ou qualquer conspiração, quem afirma é o Marc Andreessen, cofundador do Netscape.

Andreessen diz que entre equipe, produto e mercado, o mercado é o critério mais importante para o sucesso de um novo negócio.

Diante disso um mercado com muitos clientes e com grande nível de potência geral irá gerar tração para o negócio; isso não depende da solução, o mercado será preenchido; portanto, para isso, basta o produto funcionar.

Segundo o estudo chamado “The Top 20 Reasons Startups Fail” divulgado pela CB Insights, 42% das startups não resolvem um problema do mercado pois falham.

É isso porque elas não atingem product-market fit.

De uma forma mais resumida, um mercado é basicamente composto por consumidores que podem procurar informações sobre determinado produto para uma necessidade que eles têm em suas mentes.

Para melhor definição, o product-market fit significa estar em um bom mercado com um produto capaz de satisfazer indivíduos.

Analisando por um outro lado, enquanto o product-market fit  for atingido, os clientes não conseguem perceber o valor de um determinado produto; o boca-a-boca não se espalha e as vendas não decolam.

Ligando esses pontos: descoberta do cliente é a fase de MVP; cliente dando a validação é a fase de product market-fit; criação de clientes é a fase de growth hacking.

Segundo Steve Blank, as startups de sucesso passam por algumas fases durante o processo de crescimento: a descoberta, a validação e geração de clientes e a construção da empresa.

Você só pode passar para a próxima fase após concluir a anterior.

Portanto, a lógica diz que se você dobrar o número de experimentos que faz, vai dobrar as chances de acertar. Jezz Bezzos completa afirmando: “Um experimento nunca será um experimento se você sabe como ele irá funcionar”.

Diante disso, a minha dica é: mire na mosca, mas comemore o dobro se você ouvir uma codorna cair no chão.